Segunda-feira, 18 de Setembro de 2006

VER, PENSAR e AGIR - Opiniões

Desafiada para discernir sobre o Ambiente, só me vinha à cabeça a ideia de que o Mundo está de facto com Mau Ambiente. Não há tragédia sem consciência e por isso, ao nos apercebermos que o mundo se encontra ameaçado – mais ameaçado do que o nosso ministro do Ambiente podia conceber antes de ver o documentário Un Inconvenient Truth (!) – ao tomarmos também nós todos consciência de que o processo pode já ter entrado numa vertiginosa e incontrolável marcha para que a catástrofe ambiental se globalize, eis que o problema passa a ocupar um lugar de destaque na rentrée. Com a aproximação da estreia do filme-documentário de Al Gore, já os jornais e mesmo alguns canais televisivos apresentavam temas relacionados; mesmo os mais recentes filmes para crianças apontam no sentido do desejo de uma mudança do modo de vida com preocupações ambientalistas; a própria publicidade procura hoje vender uma imagem em que se apregoa um estilo de vida preocupado com as gerações futuras, coisa que até agora poucos pareciam se lembrar; supermercados que ainda não o faziam surgem com campanhas de reutilização de sacos plásticos, anunciando a sua venda para poupar o ambiente.

Se ainda há pouco tivemos a moda dos SPA’s, dos produtos biológicos, das medicinas alternativas, dos yogas e tai chi’s, não estaremos agora perante uma nova moda – a das causas ambientais –, que, tal como todas as modas transporta consigo o estigma do efémero e do superficial? Será que as pessoas vão de facto adquirir consciência e a tragédia ganhar a sua verdadeira dimensão a tempo de o desencadear de catástrofes sucessivas ser evitado?
Como em relação a quase todos os temas graves com que nos defrontamos, mesmo ganhando consciência, o indivíduo pouco pode fazer por si só para mudar o estado de coisas. Esse pouco é, no entanto, a parte que nos cabe enquanto seres conscientes, porque não há nada pior do que ter consciência de um erro e insistir em cometê-lo. Podemos com efeito fazer a nossa parte para danificar o menos possível o ambiente, reciclar, poupar recursos naturais, adequar o nosso modo de vida a um menor consumismo; podemos em suma tornarmo-nos mais responsáveis no dia-a-dia; mas isso irá exigir um esforço grande de vontade da nossa parte e duvido que a maior parte das pessoas, habituadas a consumir desenfreadamente e a esbanjar, esteja realmente disposta a fazê-lo.
Entretanto as catástrofes naturais vão aumentando e se multiplicando, excedendo todas as expectativas dos cientistas, que já admitem que se nada for feito imediatamente o processo será irreversível, imprevisível e incontrolável. Mas já alguém viu a comunidade científica mundial vir para os meios de comunicação dizer a toda a gente quais os verdadeiros riscos e quais as verdadeiras consequências a que o planeta estará sujeito caso não se inverta o processo? Já alguém viu a comunidade científica a bater o pé aos dirigentes que se entretêm em negociar as emissões de gases poluentes, fazendo de Quioto um leilão e não um compromisso?
E, no entanto, aquilo que parece hoje utópico – reformular os recursos energéticos mundiais, substituindo-os por energias renováveis, e que todos dizem ser uma mudança insustentável para o actual sistema económico global, poderia converter-se, pelo contrário, na salvação não só do planeta mas, muito provavelmente, também da economia mundial. Um novo mundo de investimentos se abriria com a adequação do mundo actual às novas formas de energia que, embora a princípio fossem dispendiosas, se poderiam tornar depois compensatórias. O que os poderes actuais instalados não podem conceber é que isso levaria anos, talvez mesmo várias décadas, e o lucro é algo que se pretende imediato. Desde que o Homem se libertou do dogma e se apercebeu de que Deus não existe, de que não há outra vida para além desta onde será compensado, passou a só se importar com a SUA vida, virando-se para o próprio ego, perdendo a sua visão de Humanidade e tornando-se num ser ávido, egoísta, sem instinto de conservação nem respeito pela descedência. Se ele vai morrer, por que há-de o planeta se salvar para os vindouros?
Retirado do Blog: We Have Kaos in the Garden
Autoria: Kaotica
publicado por sá morais às 12:14
link do post | comente aqui! | favorito
|

IdeiasFixas

pesquisar

 

Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
31


conversa recente

Retratos ( reais ) de Vis...

A "outra" verdade sobre V...

Viseu: qualidade de vida ...

Viseu: Qualidade de Vida ...

A verem-se gregos, não pa...

OPORTUNIDADE!

Goor - A Crónica de Feagl...

Goor - A Crónica de Feagl...

Natal 2011 - Regresso dos...

Regresso dos Deuses - Reb...

Ficheiros

Dezembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Agosto 2013

Janeiro 2013

Fevereiro 2012

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

tags

todas as tags

Amigos e Conhecidos

eXTReMe Tracker
We talk about everything! Visit us! Falamos de tudo um pouco! Visite-nos
Blog directory
Blog Directory & Search engine
Estou no Blog.com.pt
Blogalaxia

adopt your own virtual pet!

subscrever feeds